quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Bastet

Tudo bem, já ficou bem claro no meu post anterior que sou gatófila. O que poucas pessoas sabem é que não o sou por opção própria - os pobres bichanos vêm atrás de mim.

Não basta eu viver cercada pelos pequeninos, quando não estou dentro da sala de aulas. Não é suficiente eu ter duas pragas peludas e destruidoras em casa. Oh, não, nunca será o bastante eu ter chaveiros de gato, gatos de pelúcia, gatos bordados nos shorts e gatos de biscuit feitos por mim mesma. É claro, óbvio, totalmente esperado que eles apareçam em todos os lugares que eu for. Independente da forma.

Vou trabalhar num evento oriental? O estande em que estou vende gatos de pelúcia e orelhinhas de gato. Vou comer um kibe no Pelourinho? Aglomeram-se uns 15 gatos ao meu redor, mendigando atenção e um pedacinho de carne. Vou comprar miçangas pra fazer artesanato? Tem três gatos deitados na porta da minha loja preferida. Vou na vendinha da esquina comprar os ingredientes do bolo que vou levar pro batismo amanhã? É, isso mesmo, uma gata no cio logo na porta, desesperada para vir comigo pra casa. Vou no shopping jogar pump e abraçar amiguinhos? Um deles acabou de achar um chaveiro gigante de gato de pelúcia no chão e resolve me dar, já que coleciono chaveiros e adoro gatos.

Depois as pessoas me perguntam por que sempre há pelos nas minhas roupas, e por que tenho tantas cicatrizes de arranhões. Não adianta, queridos. Posso ter um quê de David Bowie - e, portanto, ser meio camaleônica -, mas uma coisa a meu respeito nunca vai mudar: sou uma pessoa felina.

2 comentários:

Eliana Mara disse...

Bem, ent�o, esperemos que apare�a algum felino na aula, Dee.
Voc� pode escrever uma s�rie de cr�nicas sobre os gatos que aparecem na sua vida!


Beijinhos de alegria!

Tássia Pellegrini (Tanna) disse...

Hahaha que interessante. Nunca fui próxima aos gatos, minha mãe não vai muito com a cara deles e sempre os afastou de mim (credo!). Mas são uma das coisas mais fofas do universo!